A experiência de Rondônia com a Plataforma de Apoio à Aprendizagem

Desmistificar a função das avaliações, ter uma coesão sistêmica e oferecer agilidade no diagnóstico. Essas são as três principais qualidades da Plataforma de Apoio à Aprendizagem, de acordo com Vinicius de Moraes, assessor técnico do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia, órgão responsável por guiar as redes locais durante o uso da ferramenta. 

 

Desenvolvida com o apoio do Instituto Reúna e do CAEd/UFJF, junto de outras organizações, para auxiliar as redes públicas de ensino do país na identificação das defasagens dos estudantes após o longo período de isolamento social e aulas remotas, a plataforma foi escolhida pelo TCE para avaliar os alunos rondonienses no retorno à sala de aula. 

 

“Estudamos internamente a viabilidade da utilização da Plataforma de Apoio à Aprendizagem e ponderamos que não era apenas uma avaliação que estava ali disponível, mas uma gama de materiais, como guia de correção, orientações pedagógicas, interpretação dos resultados, o que, para nós, foram os grandes diferenciais. Assim, decidimos aplicar a avaliação. O TCE, na verdade, deu a estrutura necessária para as redes: ajudamos na gestão do projeto, guiando cada etapa, oferecendo todos os instrumentos e direcionando a caminhada das redes”, conta Vinicius.

 

Para isso, “tivemos uma super ajuda do Reúna”, diz. “O Reúna nos auxiliou na otimização da planilha diagnóstica. Nossa equipe de TI [Tecnologia da Informação] conversou com o parceiro desenvolvedor do documento, juntamente com o time Reúna, para criar pequenas adaptações essenciais às redes de Rondônia.”

 

A participação na avaliação foi grande. De 52 municípios do estado, 42 estiveram em todo o processo, da aplicação à entrega dos dados. “Consolidamos as informações para que cada gestor pudesse ter uma visão ampla de todas as escolas em um lugar só. Ele pode ver todas as escolas, turmas, por ano, por componente, por item acertado”, relata.

 

Para Vinicius, o resultado do uso da Plataforma de Apoio à Aprendizagem foi bastante positivo. Ele destaca três pontos centrais: o primeiro foi a desmistificação da função da avaliação. “Por meio da ferramenta, criamos uma cultura avaliativa. Avaliações de larga escala tendem a gerar uma boa leitura, mas há uma demora nas devolutivas, que, às vezes, não são tão específicas. Mas graças à Plataforma de Apoio à Aprendizagem, entregamos um resultado específico. O professor que aplicava a avaliação já tinha de pronto um diagnóstico com o nível de proficiência da turma, o gestor escolar conseguia saber o nível de proficiência das turmas da sua escola e o gestor municipal tinha o nível de cada turma, de cada escola, de cada ano. Assim, chegamos a uma minúcia de análises. Não foi uma avaliação pela avaliação, pelo resultado, pelo ranqueamento. As redes perceberam que a avaliação serve para olhar as lacunas de aprendizagem e proporcionar uma intervenção pedagógica adequada.”

 

O segundo destaque, relembra Vinicius, foi a coesão sistêmica. “Dentro da plataforma, há uma avaliação alinhada à Base Nacional Comum Curricular, ao currículo, que estava, por sua vez, alinhado ao guia, que trazia informações por itens, ligados às orientações pedagógicas.” 

A agilidade na devolutiva foi o terceiro ponto evidenciado por Vinicius de Moraes. “A planilha traz, principalmente ao professor, liberdade. Ao inserir os dados na ferramenta, esse profissional da educação, que trabalha diretamente com os estudantes, já tinha o diagnóstico da turma imediatamente. Não foi necessário contratar nenhuma grande instituição para dar essa devolutiva. Depois, óbvio, o TCE trouxe dados mais esmiuçados. No entanto, o professor, que é o principal agente de mudança, tinha acesso muito rapidamente aos resultados, o que resultou em um olhar diferenciado a essa avaliação.”

 

O processo de avaliação em Rondônia, a partir do uso da plataforma, começou em outubro. Em 1º de dezembro, o TCE-RO promoveu um evento on-line de divulgação e análise dos resultados para professores, supervisores, gestores escolares, equipe do projeto da avaliação diagnóstica e dirigentes municipais de educação. Quer saber como foi? Assista à live aqui!

 

Para conhecer melhor o produto, clique aqui. A Plataforma de Apoio à Aprendizagem foi desenvolvida por meio da união entre o Consed e a Undime, ao lado do CAEd/UFJF, do Instituto Reúna, da Fundação Lemann, do Instituto Ayrton Senna, da Fundação Roberto Marinho, do Itaú Social e do BID.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *